Calendário de debates Frente a frente em directo na Dom Fuas FM e zonaTv, 21:00h

 

PSD - CDU CDS - PS CDU - PS  PSD - CDS  CDS - CDU  PS - PSD Final /  todos
14/9 16/9 18/9  21/9  23/9 25/9  2/10
20
Ago 09

in jornal O Portomosense

Era candidata à Assembleia Municipal

ImageAntonieta Mariano, a delegada concelhia do CDS-PP, demitiu-se, na passada semana, de todo os cargos ocupados no partido e já não será a candidata à Assembleia Municipal de Porto de Mós.
Descontente com a forma como está a ser conduzido o processo eleitoral e o modo como foi tratada pelo partido, Antonieta Mariano decidiu demitir-se da estrutura local do CDS-PP. A decisão já terá sido comunicada, por carta, ao presidente do partido, Paulo Portas.
Questionada pelo nosso jornal, garante que, para já, não faz tenções de se desfiliar do CDS-PP mas confessa-se magoada.
Antonieta Mariano diz que ficou bastante desagradada com a postura assumida em várias situações pelo candidato à Câmara, Renato Cruz e pelo seu mandatário, nomeadamente, com o que classifica como “ocupação abusiva de um apartamento e a colocação de símbolos do partido no seu exterior”.
“Logo que me avisaram desta situação falei com a proprietária e pedi-lhe as maiores desculpas, explicando que esta não é a postura do partido pela qual dou a cara há 30 anos”, explica.
A responsável adianta, também, que se “demarca por completo” do texto publicado na nossa última edição, no espaço que O Portomosense cedeu a todas as comissões políticas concelhias para falarem sobre as autárquicas que se avizinham. Antonieta diz que este texto assim como outras acções foram feitas à sua revelia, não se revendo em absoluto em qualquer um a delas.
Sendo assim, e depois de “ter alertado o coordenador autárquico nacional e o responsável pela Distrital de Leiria sobre estas questões e de estes terem decidido avocar o processo “autárquicas” entregando a responsabilidade da elaboração das listas a Renato Cruz e ao seu mandatário, José Eduardo Santos”, a dirigente política, diz que não lhe restava outra hipótese que não demitir-se.

Demissão inevitável
“Dava a cara pelo partido mas não era informada de nada e quando tinha conhecimento não me revia de forma alguma nos actos realizados. Portanto, não quero o meu nome associado a algo que repudio e que nunca fez parte da minha postura nem da concelhia”, reforça.
Triste com o seu partido, elogia a postura dos candidatos à presidência da Câmara, João Salgueiro e Júlio Vieira. Em relação ao candidato do PS mostra-se grata por ter sido uma das pessoas que a avisou para algumas situações que poderiam pôr em causa a imagem do CDS a nível local. A Júlio Vieira reconhece “a postura correcta e amistosa ao procurar-me para deixar bem claro que, ao contrário do boato posto a circular, a sua candidatura não tinha feito qualquer tentativa de aliciamento de candidatos nossos, nem procurara prejudicar ou impedir que o CDS-PP concorresse”.
Antonieta Mariano diz que apesar de se ter demitido do CDS-PP, irá “continuar disponível para ajudar ao desenvolvimento do concelho, até porque o meu projecto de vida, o meu sonho para Porto de Mós vai mais além que os partidos políticos”, frisa.
publicado por Portomosfera às 21:45

arquivos

pesquisar neste blog
 
mais sobre nós

ver perfil

seguir perfil

3 seguidores